sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Os 100 anos de Cimbali se transformam em museu

Da pequena loja no centro de Milão, até se tornar uma indiscutível excelência do 'Made in Italy'. É o caminho percorrido pelo grupo Cimbali, em 100 anos e quatro gerações, para escrever a história industrial das máquinas de café. Um passado que bem merecia ser contado e que a família Cimbali não hesitou em fazer ao abrir um museu próprio, o Mumac, que surge no coração da fábrica de Binasco, na periferia de Milão.

      O museu da máquina de café é um percurso de história, design, tecnologia e estilo que vai do preto e branco às cores, desde que se ouvia Mamma mia dammi cento lire até a música atual. Ou seja, da pequena loja para a clientela milanesa, até abraçar os cinco continentes. Sim, porque foi assim para o grupo Cimbali, que hoje pode se gabar de um volume de negócios superior a € 130 milhões (receita de 2011), dos quais 80% gerados no exterior (30% fora das fronteiras da União Europeia).

      ''Enquanto a crise começava a morder, observou o presidente Maurizio Cimbali, com determinação, continuamos a olhar para frente, apostando em pesquisas e tecnologias mais avançadas''. E seguindo este caminho ''conseguimos dobrar nosso crescimento'', apesar da turbulência. ''Além do Velho Continente há um mundo que está crescendo e nós estamos nele''. 

      As receitas do grupo no ano passado aumentaram 13% em relação aos investimentos em pesquisa, equivalentes a 9% do faturamento.

      A empresa possui quatro fábricas (todas na Lombardia), 600 funcionários e uma rede de distribuição em 104 países.

      Com estes resultados, a família Cimbali decidiu celebrar este século de sucesso com um museu, graças também à contribuição do colecionador Enrico Maltoni.

      Mumac, com mais de 200 máquinas de café expresso de bar, é uma coleção rica e abrangente das marcas de maior prestígio da indústria italiana, que vai dos anos do Liberty aos 20, do boom do pós-guerra à década de 90, até chegar aos dias atuais. Só para citar alguns nomes La Pavoni, La Victoria Arduino, La San Marco, LaCimbali, Gaggia e Faema. E para comemorar o centenário, Cimbali decidiu lançar a mais recente joia da casa: é o modelo M100 que, dentro do museu, mostra cada um dos seus componentes suspenso no ar como uma explosão.


www.italianos.it

Nenhum comentário: